Excesso, autoritarismo, repressão no século XXI

996887_10201181442514062_1773800871_n

Dando continuidade ao post anterior, eu falava, entre outras coisas, das arbitrariedades da repressão policial contra os manifestantes. Para a polícia e para a imprensa, os manifestantes detidos, presos, eram todos “baderneiros” ou “vândalos”, mas sabemos que a verdade não é bem assim.

Como tem acontecido em todas as manifestações, não faltam relatos e vídeos, muitas vezes em tempo real, das arbitrariedades cometidas. O governo, e parte da imprensa, ainda não perceberam, ou fingem que, não dá mais para esconder a verdade.

Dentre diversos casos, um ocorrido nesta terça-feira, 30/07, é bem explícito. Aconteceu com o artista Thiago Frias. Eu poderia relatar em detalhes, mas o vídeo fala por si.

Nele vemos Thiago, engasgado com o gás lacrimogênio. Quem já passou por isso sabe que quando a concentração do gás é grande, de fato fica difícil respirar. Acredito que ele não tentou se levantar justamente para demonstrar aos policiais que avançavam que não oferecia resistência. Evidente que o ato chamou atenção da imprensa em volta, que correu para entrevistar o rapaz. Mas isso não foi suficiente para segurar os PMs que pegaram Thiago do chão e o levaram pelos braços como se fosse um verdadeiro bandido.

Assim como outras 19 pessoas, Thiago foi levado a um Distrito Policial, 15 foram liberados depois, mas 5, incluindo Frias, foram encaminhados ao Centro de Detenção Provisória de Pinheiros, um local por onde passa todo o tipo de bandido. Foram acusados de jogar pedras em uma viatura, e assim, depredação de patrimônio público, dano qualificado, formação de quadrilha, resistência a prisão (no vídeo não é bem isso que vemos), sem direito a fiança.

Em outro vídeo, jovens alegam ter sido presos sem motivo ou explicação. Os policiais não dão satisfações quando questionados:

Agora, que tipo de justiça é essa em que motoristas, que atropelam e fogem, pagam fiança e saem na mesma hora, porque não houve flagrante, e um jovem acusado de tacar pedra em uma viatura vai parar em um CDP sem direito a fiança?

Seria correto colocar jovens sem antecedentes, e sem provas, em um local por onde passam bandidos perigosos, sob tal tipo de acusação? Não estaria ai ocorrendo um grande exagero e abuso de autoridade? Vale lembrar que em outros períodos de nossa história direitos foram desrespeitados assim e sabemos o final desta história.

Vale lembrar ainda que absurdos como este vão além do mero desrespeito ao cidadão, o erro de misturar tipos de presos em um mesmo local é perigoso não apenas para eles. Presos políticos misturados a presos comuns, pela ditadura militar, disseminaram técnicas de guerrilha, sequestro, organização, que presos comuns não conheciam, meros assaltantes de banco, por exemplo. Dessa maneira surgiu uma nova categoria de bandidos, muito mais difícil de combater, eram as raízes do crime organizado no Brasil, Comando Vermelho e PCC, aquele grupo que o governo Alckmin não consegue combater tão eficazmente quanto combate as manifestações na rua.

Textos relacionados

Relato sobre Thiago:

“Tenho um bom amigo de anos que se chama Thiago Frias. Um cara genial, talentosíssimo, um grande artista e escritor, também. Desvie o olhar pras laterais do blog pra se deparar com um trabalho do Thiago: a arte no papel de fundo do Olhômetro é dele. E se já leu o Boatismo, voilà, esse é o Thiago.”

http://oesquema.com.br/olhometro/2013/07/31/quando-os-bons-se-calam-os-maus-triunfam

Matéria do Estadão

“Segundo a Secretaria de Segurança Pública, os cinco foram presos em flagrante às 19h30 da terça-feira, na Rua João Moura, na esquina com a Avenida Rebouças, em Pinheiros, após jogarem pedras contra uma viatura da Polícia Militar. De acordo com o boletim de ocorrência, não foi arbitrada a fiança, “pois as somas das penas máximas superam o patamar de quatro anos de preventiva de liberdade e impedem a concessão de liberdade provisória por meio de garantia”.

http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,apos-protesto-contra-alckmin-cinco-manifestantes-continuam-presos,1059177,0.htm

A opinião de Geraldo Alckmin

“Não é possível aceitar vandalismo. O povo de São Paulo não aceita baderna. Então, a Polícia sempre vai agir com rigor no sentido de garantir a integridade física das pessoas e garantir o patromínio publico e privado, não é uma tarefa fácil, mas acho que a polícia tem agido corretamente”

http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2013/07/apos-ser-alvo-de-protesto-alckmin-nega-problema-e-critica-vandalismo.html

Anúncios