Perdeu, playboy! Meu manifesto contra a desonestidade

Pole

A penúltima foto, tirei de dentro da cabine, onde vi meu tablet pela última vez, publiquei na hora em minhas redes sociais, divulgando a casa

Esse relato é um desabafo e uma resposta a quem está estranhando meu sumiço da noite, depois do que aconteceu no Astronete, quando fui tirado da festa que ajudei a criar e divulguei por um ano e meio. Naquela mesma semana, cerca de um mês atrás, mais um acontecimento inesperado ajudou a mudar o rumo das coisas. Meu tablet desapareceu…

Estava eu discotecando no Manifesto Bar, como fazia todos os sábados, usando o tablet para acessar a internet, tirei algumas fotos com ele, nada fora do comum. Terminei minha discotecagem por volta das 4h30, desliguei o som e apaguei as luzes da sala, conhecida como Secret Room, que a esta hora já estava vazia. No andar debaixo, algumas poucas pessoas ainda permaneciam na casa. Fechei minha comanda, recebi meu cachê e fui pra casa de taxi, tranquilamente. Antes de dormir, resolvi pegar o tablet na mochila e, então, veio a surpresa, o aparelho não estava lá.

Pensei, “se não abri a mochila pra nada antes, ele só pode ter ficado lá na cabine”, afinal tava tudo escuro, ele tinha uma capa preta, natural ter esquecido na hora de guardar o laptop e os cabos na mochila. Porém, ao entrar em contato com o bar, fui informado que o tablet não foi encontrado. Sinistra ocorrência, o aparelho desapareceu sem deixar vestígios, um mistério. To até agora tentando entender e digerir isso…

Quem já perdeu um aparelho desses, seja celular, tablet, ou mesmo um notebook, sabe da dor de cabeça, vão seus dados, seus arquivos, fotos pessoais, vídeos, contatos da agenda e etc. Sem falar no prejuízo financeiro, neste caso, cerca de 1.500 reais. O aparelho era novo, 6 meses de uso, com todos os cuidados, mas esteve comigo na Irlanda, em Londres também, tínhamos história.

No entanto, o que mais me causou impacto foi ter perdido o aparelho em um lugar onde eu me sentia seguro, onde aparentemente todos eram amigos, de confiança. Quem pegou o tablet sabe de quem era, fez de forma consciente. Não fui roubado, mas me sinto assim.

Diante disso, não me senti mais a vontade para continuar a discotecar na casa. Fui um dos DJ’s que inaugurou o Secret Room, em janeiro de 2012, foram 1 ano e 9 meses discotecando praticamente todas as semanas lá e, de repente, acabou. Porque, embora as imagens das câmeras não mostrem ninguém pegando o tablet na cabine, apenas funcionários fazendo limpeza e manutenção, eu jamais vou conseguir evitar de pensar no assunto, quem pegou, como, quando… Lembrando que não é um objeto pequeno, um tablet de 10.1 polegadas, com a capa, deve ter cerca de uns 25cm largura, por uns 18cm de altura.

Enfim, por causa de alguém de má índole, um ladrão, afinal, acabou uma história bacana, perdi um trabalho, deixarei amigos para trás. A lição que fica é, não confie em ninguém, você nunca está tão seguro quanto pensa estar, esteja atento o tempo todo, seja onde for. E instale aplicativos anti-furto em seus dispositivos. Fora isso, o caso está sendo investigado pela Polícia Civil. Portanto, se te oferecerem um tablet sem nota fiscal, desconfie. Não seja receptador, não contribua com o crime, só compre produtos com precedência. E bola pra frente. 

Ivan Busic

A derradeira foto, foi tirada pelo barman com o tablet que sumiria pouco depois. Eu e Ivan Busic, do Dr. Sin, postei também nas redes sociais, divulgando o nome da casa

Anúncios